Quinta, 17 Agosto 2017 14:33

Peça de teatro em Alfena, MG Destaque

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

O Teatro Municipal de Alfenas receberá nos dias 18, 19 e 20 de agosto o "Grupo Contemporâneo Quimera",  que após  estrear em 2016 com o sucesso “Casa de Bonecas” uma adaptação da obra de Ibsen (1879), apresenta  em 2017 “O CASARÃO”.

O espetáculo “O CASARÃO” conta a história de Bruce, um vampiro que reside   afastado da sociedade e vive  junto de um cientista esquizofrênico.  Jandira e Guilherme  um casal nada convencional que depois de um acidente vai pedir ajuda no “Casarão”. No começo  tudo parecia estar tranquilo, aparentemente um abrigo seguro, cobertores, bebidas quentes e um telefone para emergências.

Mas será que tudo realmente é o que parece?

As situações planejadas por Bruce desencadeiam uma trama cheia de humor, mistérios e dramas. Este espetáculo não se trata de uma casa assombrada por espíritos,  mas sim por histórias. Histórias que hóspede nenhum gostaria de conhecer.

Elenco: Mattheus Royez, Maycon Vitor, Natalia Costa, Pedro Lito, Saula Isabela Diniz, Gabriela Kauffman

Serviço:

Espetáculo:  “O CASARÃO”

Local: Teatro Municipal de Alfenas

Data: 18, 19 e 20 de agosto de 2017

Horário: 20:30h

Valor: R$10,00 Inteira / R$5,00 Meia

Sobre o Grupo:

O Grupo Contemporâneo Quimera é formado por atores e atrizes integrantes e ex-integrantes da Oficina de Teatro Evoé – Teatro Municipal de Alfenas, artistas que se dedicam a estudos e treinamentos constantes. Em 2016 estrearam com sucesso a adaptação da obra “Casa de Bonecas” de Henrik Ibsen, em 2017 reapresentaram uma coletânea de cenas curtas que fizeram sucesso no encerramento das atividades da oficina Evoé em 2016. Em agosto de 2017 apresentam a comédia “O CASARÃO”, um trabalho desenvolvido de forma colaborativa.

 

Quinta, 17 Agosto 2017 10:58

Prefeitura realiza Audiência Pública dia 25 de agosto Destaque

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

A Prefeitura Municipal de Alfenas convida autoridades, empresários e demais cidadãos para participar da Audiência Pública, no dia 25 de agosto de 2017, referente aos seguintes assuntos:

  • 1ª Sessão, às 9 horas: Parcerias público-privadas para iluminação municipal.
  • 2ª Sessão, às 14 horas: Parcerias público-privadas para zeladoria do patrimônio municipal.

Esta audiência pública tem por finalidade autorizar as empresas interessadas em apresentar seus projetos e estudos com vistas à futura e eventual contratação de parceria público-privada nos setores citados acima junto à Prefeitura de Alfenas.

O evento acontecerá no Auditório da APAE, localizado na Rua Leão de Faria, 427.

 

ASCOM/Prefeitura de Alfenas

 

Quarta, 16 Agosto 2017 09:56

Pedidos de melhorias no trânsito e PROREFIS 2017 aprovado Destaque

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

A 2ª Reunião Ordinária da Câmara Municipal de Alfenas teve início com a apresentação do Projeto Amor a Vida – proposta do Vereador João Carlos Tercetti (PRP) que oferece descontos no IPTU para doadores de sangue. A proposta foi elogiada pelo Vereador Reginaldo Flauzino (PHS), que considera de extrema importância o incentivo a ações como essa.

Assunto muito comentado em reunião, foi o serviço prestado pela Copasa. José Carlos de Morais (Carlinho Vardemá/ PMDB) disse que as reclamações sobre o mau cheiro em vários bairros da cidade têm aumentado e é preciso que a empresa responsável tome providências.

O trânsito de Alfenas foi novamente abordado em indicações e requerimentos, como o do Vereador Fábio Marques Florêncio (PP), que pede pela pintura de faixas de travessia de pedestres que estão apagadas há algum tempo. Waldemilson Gustavo Bassoto (Padre Waldemilson/ PROS) comentou que as faixas apagadas geram confusão entre pedestres e motoristas e Flauzino sugeriu o reforço da equipe que cuida desse departamento, para atender a demanda de toda a cidade. Kátia Goyatá (PDT) também realizou indicação pedindo por um redutor de velocidade em frente à Escola Estadual Pe. José Grimmink.

PROREFIS 2017 aprovado

O Projeto de Lei nº 51/2017 que institui o Programa de Incentivo à Regularização Fiscal com a Fazenda Pública do Município de Alfenas – PROREFIS 2017, foi aprovado por todos em Regime de Urgência.

O objetivo do programa é incentivar os titulares de débitos tributários e não tributários, pessoas físicas e jurídicas, a regularizarem a sua situação fiscal perante o município, com a concessão de descontos de multas e juros. 

ASCOM/ Câmara Municipal de Alfenas

 

Avalie este item
(0 votos)

O Programa de Garantia a Direitos Fundamentais e Incentivo ao Desenvolvimento Social e Econômico (Pró-Direitos) foi aprovado pela Câmara Municipal esta semana (07/08). Uma das ações deste programa é instituir o “Cartão Livre Escolha”, em substituição às cestas básicas distribuídas para as famílias carentes.

Cartão Livre-Escolha

O “Cartão Livre Escolha” substitui a distribuição das cestas básicas pelo cartão, que terá o valor regulamentado. Com esse cartão, o beneficiado poderá optar pelos produtos de sua preferência, que compõem a cesta básica, no estabelecimento comercial de sua escolha. Os critérios para o cadastro desses comércios também serão regulamentados por decreto.

Segundo o prefeito Luiz Antônio da Silva, a liberdade de escolha é um dos principais ganhos para os beneficiados. “No caso da cesta básica, o cidadão vai receber o dinheiro e decidirá o que e onde comprar. Isso aquece o comércio local e garante o direito sagrado da liberdade aos cidadãos”, afirmou.

Ainda de acordo com o prefeito, os benefícios sociais concedidos por este cartão serão eventuais, variando conforme as necessidades do cidadão.

 

ASCOM/Prefeitura de Alfenas

 

Quarta, 16 Agosto 2017 08:08

Prefeitura de Alfenas cadastra Folias de Reis da Cidade Destaque

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

A Prefeitura de Alfenas, por meio da Secretaria de Educação e Cultura, está cadastrando os grupos de Folias de Reis do nosso município.

Fonte: IPHAN

As inscrições podem ser feitas na Casa da Cultura (na antiga Praça da Estação) ou diretamente no site do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA-MG), clicando neste link: goo.gl/3cR5r7.

As prefeituras municipais que tiverem sua adesão a esta ação terão direito à pontuação no programa ICMS Patrimônio Cultural.

Três séculos de Folias de Minas

As folias possuem mais de três séculos de prática e forte representatividade na religiosidade e cultura mineiras. Em geral, são organizadas por um grupo de devotos, saindo na chamada “jornada” ou “giro”, que passa pelas casas da comunidade, cantando e festejando para o santo de devoção do grupo. 

Estas manifestações culturais acontecem em todo o território mineiro e se revelam de diferentes formas e com várias nomeações. Chamadas também de “terno”, “charola” e “companhia”, os grupos se organizam para homenagear diversos santos, e não apenas os Reis Magos, como acontece nas Folias de Reis no dia 6 de janeiro.

 

ASCOM/Prefeitura de Alfenas

 

Avalie este item
(0 votos)

O juiz Sergio Moro disse nesta terça-feira (15) que o combate à corrupção é barato frente ao que recupera aos cofres públicos e defendeu um aumento de efetivo para a Polícia Federal que integra a Lava Jato, cuja superintendência em Curitiba não tem mais uma equipe exclusiva para a operação.

"O enfrentamento da corrupção não é tão caro. Para se ter uma boa equipe, não se precisa de grandes dispêndios financeiros. Do outro lado, quando esse enfrentamento é efetivo, os ganhos da recuperação de ativos são muito expressivos", disse Moro citando acordos de leniência que chegaram à casa de R$ 1 bilhão envolvendo a Petrobras.

"Valeria a pena ter um efetivo maior da Polícia Federal e dar condições a eles de realizar o trabalho em Curitiba", declarou em palestra no evento "Mitos e Fatos", da rádio "Jovem Pan", em São Paulo.

" [Não] há uma intenção deliberada de enfraquecer a operação, mas acho que não é o momento de vacilações. É preciso investir para chegar com esse caso até o final."

"Seria desastroso revogar prisão após segunda instância"
O magistrado, que responsável pela Lava Jato na primeira instância, também falou sobre uma eventual revogação, pelo STF (Supremo Tribunal Federal), do entendimento de que um réu pode ser preso após a condenação em segunda instância "seria algo desastroso".

"Seria algo desastroso para a efetividade da justiça criminal", disse Moro. Para o juiz, a prisão após condenação em segunda instância foi um legado do ministro Teori Zavascki, morto em janeiro.

Segundo o magistrado, a "infinidade de recursos" e a "carga excessiva, desumana" de processos sobre os juízes torna a exigência do trânsito em julgado, na prática, sinônimo de impunidade dos mais poderosos, que têm recursos para estender uma ação penal.

Mais tarde, a presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, que também participou do evento em São Paulo, disse a jornalistas que a revisão da prisão após a condenação em segunda instância não está na pauta do Supremo.

Moro reconheceu que a prisão após segunda instância é polêmica e recebe críticas principalmente de quem defende a presunção de inocência, direito garantido por lei no Brasil.

No entanto, para o magistrado, é necessário ter "prova categórica" para condenar alguém e, se há tal prova, não há violação da presunção de inocência.

Moro também repetiu críticas que fez em outros eventos públicos, como a de que o combate à corrupção "tem sido quase exclusivamente do sistema de justiça criminal", no caso, a polícia, o Ministério Público e a Justiça.

Segundo Moro, "muito pouca coisa tem sido feita" pelo Congresso e pelo Executivo para dar continuidade ao combate à corrupção. Para o juiz, é preciso criar leis para diminuir os incentivos para este tipo de crime.

Presidente da OAB critica prisões
Em um painel realizado após a fala de Moro, mas sem a presença dele, o presidente nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Claudio Lamachia, voltou a se posicionar contra a prisão de condenados na segunda instância, dizendo que fere a Constituição e o princípio básico da presunção de não culpabilidade.

Lamachia defendeu, contudo, uma reforma política de fato, que ele não vê como efetiva nas propostas em discussão no Congresso Nacional.

O dirigente apontou também a necessidade ampliar os recursos do Judiciário, de forma a reduzir a sensação de impunidade. E citou a falta de juízes e de servidores da Justiça no país como algo a ser combatido. "Que Justiça é essa? Precisamos dar uma resposta." Fonte: https://noticias.uol.com.br

 

Avalie este item
(0 votos)

Segundo Pontes Neto, o procedimento pode “limpar” 80% dos vasos sanguíneos afetados e é mais eficaz que o tratamento convencional, com o uso de medicamentos para dissolver os coágulos que se formaram no cérebro e causam o AVC.

Entretanto, o resultado do tratamento depende da extensão e do tempo em que a lesão ocorreu. O neurologista explica que, quando ocorre um AVC, os neurônios sofrem com falta de oxigênio e morrem em uma taxa de 1,9 milhão por minuto.

“É como se fosse uma fogueira queimando um canavial e a gente tem que correr, como um bombeiro, tentando apagar o incêndio, tentando abrir a artéria o mais rápido possível para restaurar o fluxo sanguíneo para o cérebro”, diz.

O médico afirma que o sucesso da técnica depende ainda de um bom fluxo colateral, ou seja, que outras artérias estejam levando sangue à área do cérebro afetada pelo AVC. Além disso, é importante que o infarto seja identificado em estágio inicial.

“Não é qualquer paciente com AVC isquêmico, mas aquele que tem oclusão de uma grande artéria do cérebro, em que a gente não consegue desentupir só com remédio na veia. Então, muitas vezes, além de receber o remédio, vai ser submetido a esse cateterismo”, completa. Fonte: G1

 

 

Avalie este item
(1 Votar)

O juiz Mirko Vincenzo Giannotte, da da 6ª Vara de Sinop (MT), recebeu um salário liquido de R$ 415.693,02 no mês de julho. De acordo com a informação que está no portal transparência do TJMT (Tribunal de Justiça do Mato Grosso), R$ 137.522,61 são de indenizações, R$ 40.342,96 de vantagens eventuais e R$ 25.779,95 de gratificações. O salário bruto do magistrado foi de R$ 503.928,79.

Segundo informações da assessoria de imprensa do tribunal, Mirko recebeu esse valor por ter sido transferido e trabalhado de 2004 a 2009 em comarca de entrância superior, ou seja, aquela com maior número de processos e que atendem a mais pessoas. Na época, segundo a assessoria, o juiz não teve ajuste salarial. Agora, depois de decisão judicial favorável, foi paga a diferença do salário do período. No mês de junho, o magistrado recebeu salário liquido de R$ 53.432,92. Fonte: Folha de São Paulo

 

Avalie este item
(0 votos)

Ao contrário do que proclama a expressão popular “achado não é roubado”, o Código Penal entende como crime apropriar-se de bem perdido. Segundo o artigo 169 do diploma legal, cabe, a quem achar um objeto, devolver ao dono legítimo ou a autoridades competentes.

Dessa forma, a Justiça recebeu denúncia de um funcionário de cinema que, ao encontrar um celular perdido nas poltronas da sala de exibição, não comunicou à gerência da empresa e levou o aparelho para casa. Dias depois, o réu vendeu o telefone ao tio que, mesmo sabendo da origem ilícita, aceitou comprar, por valor inferior ao do mercado. O comprador foi, por sua vez, acusado de receptação.

De acordo com a lei, comete infração penal quem acha coisa alheia perdida e dela se apropria, total ou parcialmente, deixando de devolver ou entregar à autoridade competente em até 15 dias. A pena prevista é detenção, de um mês a um ano, ou multa. Crimes como esse são de competência dos Juizados Especiais Criminais, por serem considerados de menor potencial ofensivo.

Titular da 2ª unidade judiciária de Goiânia, o juiz Wild Afonso Ogawa, esclarece a tipificação do delito. “Na legislação antiga, apropriar-se de bem alheio perdido para proveito próprio era equiparado ao furto, em sua gravidade”, conta. Hoje, a conduta ainda se assemelha à subtração de bem para fins de dosimetria penal, com base no artigo 155 do CP, que versa, justamente, sobre furtos. “Se o bem perdido for de pequeno valor e o réu, primário, é possível substituir a pena de reclusão pela de detenção, diminuí-la de um a dois terços, ou aplicar, somente, multa”, elucida o magistrado,

No caso em discussão, o tio do empregado do cinema foi acusado pelo Ministério Público de Goiás de receptação de mercadoria ilícita. Tal circunstância é possível de ocorrer, conforme explica Ogawa. “A receptação é um crime acessório, isto é, precisa da condenação do primeiro delito de roubo ou furto, para ser cabível”.

O processo tramita em segredo de Justiça na 8ª Vara Criminal de Goiânia. Segundo a ação, o dono do aparelho perdido chegou a ir à seção de achados e perdidos do centro comercial e a pedir imagens das câmeras de monitoramento, mas não encontrou nada.

A vítima não cancelou o número e percebeu que a pessoa detentora do celular perdido estava fazendo telefonemas interurbanos. Ele relatou que tentou ligar e mandou mensagens a quem estava utilizando o bem, mas não obteve resposta. Fez ainda um boletim de ocorrência policial e rastreou o equipamento. Dessa forma, foi descoberto, então, o paradeiro junto ao tio do funcionário do cinema, que havia comprado o produto por R$ 200 — cerca de R$ 600 mais barato em comparação ao valor da nota fiscal. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-GO.

 

Avalie este item
(0 votos)

A Câmara Municipal de Alfenas convida a todos para Audiência Pública sobre assuntos pertinentes aos maus tratos de animais, bem como a presença de cachorros abandonados nas vias públicas, os quais têm atacado os cidadãos.

O tema já foi pauta de reportagens locais e é frequentemente discutido pela população.

Contamos com sua importante presença!

 Dia 24 de agosto, as 19 horas no plenário da Câmara Municipal de Alfenas.7

 

 
Pagina 1 de 156

Publicidade